MONTE DE LEITURAS: blog do Alfredo Monte

26/06/2018

OS CRAQUES DA SELEÇÃO RUSSA, PARTE DOIS

 

(Uma versão da resenha abaixo foi publicada originalmente em A TRIBUNA de Santos em 26 de junho de 2018)

Continuo meu passeio pela grandiosa literatura russa, iniciado na semana passada.

Maksim Gorki, 1868 –1936, outro versátil, exercitando em vários gêneros, mas brilhando mesmo nas suas memórias em obras como “Infância” e “Minhas Universidades”.

Ivan Alekseyevich Bunin, 1870 — 1953, grande contista, retratando fim do regime czarista de forma intimista e sutil. Ganhou o Nobel em 1933. Comentei aqui “Contos Escolhidos” (editora Amarilys).

Leonid Nicolaevitch Andreiev, 1871 – 1919, o mestre da ficção expressionista e mórbida, em obras como “A conversão do Diabo”, “Judas Iscariotes” e “Os sete Enforcados”.

Boris Leonidovitch Pasternak, 1890 — 1960, não conheço sua consagrada poesia, porém sofri impacto da poesia da sua prosa em “Doutor Jivago”, um dos mais belos romances do século passado. Ganhou o Nobel em 1959, contudo o regime soviético o obrigou a não aceitar o prêmio.

Mikhail Afanásievitch Bulgákov, 1891 –1940, perseguido por Stalin, sua obra-prima “O mestre e Margarita” foi publicada vinte anos após sua morte. Tão exuberante e original quanto esse romance, deixou suas “Memórias de um Jovem Médico”, adaptada pela HBO com Daniel Radcliffe, o Harry Potter.

Isaac Emmanuilovich Babel, 1894 – 1940, Doris Lessing o admirava, o que me levou a ler suas maravilhosas “Novelas e Cavalarias”.

Vladimir Vladimirovich Nabokov, 1899 — 1977, antes de se consagrar como autor de língua inglesa, o “Russo Branco” (exilado do regime soviético) publicou muitas obras em seu idioma natal, como “Desespero”, “A Defesa”, “Gargalhada na Escuridão”, sempre dispensando a “delegação vienense” (assim se referia a Freud e seus seguidores), mais um prato cheio para a psicanalise.

Mikhail Aleksandovitch Cholokhov, 1905 — 1984, há rumores de que roubou a obra-prima “O dom Silencioso” de um colega caído em desgraça no período stalinista. Verdade ou não, o livro é lindo e ele ganhou o Nobel em 1965.

Vasily Semyonovich Grossman, 1905 – 1964, no seu grande épico “Vida e Destino” escancarou o antissemitismo russo. Foi um excelente correspondente de guerra.

Anatoly Naumovich Rybakov, 1911 – 1998, seu romance “Os filhos da Rua Arbat” foi emblemático no período da “Glasnost”, que marcou o fim da União Soviética.

Alexander Issaiévich Soljenítsin, 1918 — 2008, Milan Kundera disse que era um gigante entre os homens, mas não entre os escritores. Não concordo. Além de revelar os horrores do regime stalinista em “O arquipélago Gulag”, escreveu obras-primas como “Um dia na vida de Ivan Denisovich” e o monumental “Agosto 1914”. Ganhou o Nobel em 1970.

Leonid Borisovich Tsypkin, 1926 —1982, escreveu “Verão em Baden-Baden”, lindo romance sobre Dostoiévski e seu vício em jogos.

Andrei Georgiyevich Bitov, 1937, o único vivo da lista. Seu romance “A casa de Puchkin” não apenas uma alusão ao fundador da literatura russa, mas uma profunda reflexão existencialista.

Craques RUssos - Jornal

Anúncios

19/06/2018

CRAQUES DA SELEÇÃO RUSSA: PARTE UM

Filed under: autores centrais — alfredomonte @ 15:44
Tags: ,

(Uma versão da resenha abaixo foi publicado originalmente em A TRIBUNA de Santos em 19 de junho de 2018)

A Rússia é uma potência literária. Apresento alguns dos seus craques. Haverá lacunas e ausências, mas a lista reflete trinta e tantos anos de leituras.

Alexander Sergueievitch Pushkin0p, 1799 — 1837, o fundador da literatura russa. Versátil, experimentou todos os gêneros. Sua obra mais ambiciosa é o poema épico “Eugênio Oneguin”.

Nikolai Vasilievich Gogol, 1809 — 1852, o genial autor de novelas como “O Capote” e “O Nariz”. Escreveu a deliciosa peça “O inspetor geral” e deixou um romance inacabado, “Almas Mortas”.

Mikhail Iúrievitch Lérmontov, 1814 — 1841, seu “Herói do nosso Tempo” coloca as aventuras de seu protagonista num cenário geopolítico ainda hoje conflituoso.

Ivan Aleksandrovitch Gontcharov, 1812 – 1891, lendo sua obra-prima “Oblomov” nos espantamos com as similaridades do império russo e o Brasil imperial.

Nikolai Semyonovich Leskov, 1831 — 1895, outro grande novelista, comprovam os textos de “Homens Interessantes”.

Ivan Sergeiévitch Turguêniev, 1818 — 1883, apesar de ser um estilista, admirado por Flaubert, seus romances tratam de conflitos de gerações e ideológicos, caso de “Rudin” e “Pais e filhos”.

Fiódor Mikhailovitch Dostoiévski 1821 – 1881, seria o escritor supremo se não existisse Tolstói, majestoso tanto em obras curtas, como “O Duplo”, “Notas do Subsolo” e “Um Jogador”, quanto nos romances ciclópicos como “Crime e Castigo”, “O Idiota”, “Talvez seu mais belo livro”, e “Irmãos Karamazovi”. Atormentado por Deus e pelo vício de jogar, foi um dos autores mais influentes do ocidente.

Liev Nikoláievich Tolstói, 1828 —1910, o maior gênio da literatura, a meu ver. Obcecado pela morte, fez a vida pulsar em “Guerra e Paz” e “Anna Karenina”, os maiores romances já escritos. Enfrentou sua nêmesis no avassalador “A morte de Ivan Ilitch”. Educador, fundador de uma religião própria, escreveu também peças poderosas como “O cadáver vivo”. Custa a crer que tenha morrido de fato.

Anton Pavlovitch Tchecov, 1860 — 1904, o maior contista de todos os tempos, basta ler coletâneas como “A dama do Cachorrinho” e “O Beijo”. Não contente em ser gênio em um gênero, escreveu peças magistrais sobre a inércia da classe alta, como “O jardim das Cerejeiras” e “As três irmãs”. (continua na próxima semana).

12/06/2018

UM RELATO PUERIL, MAS EMOCIONANTE

(Uma versão da resenha abaixo foi publicada originalmente em A TRIBUNA de Santos em 12 de junho de 2018)

Nana é um gato de rua. Após ser atropelado, é recolhido por Satoru Miyawaki. Cinco anos depois seu dono resolve atravessar o país numa van, pretendendo desfazer-se do gato. Este é o núcleo de “RELATOS DE UM GATO VIAJANTE”.

“—Você está me unhando! Nana, pare de arranhar minha testa! Não adiantou, este posto não me deu a segurança necessária. Iáááá! Pulei para o chão e desembestei na direção oposta às ondas, sem olhar para trás. – Ah! Nada! Galguei num piscar de olhos um barranco próximo e me encarapitei na raiz de um pinheiro que se projetava da superfície de pedra, na diagonal! Pronto! Verificação de segurança concluída com sucesso! ”. Esse é o momento em que Nana conhece o mar.

O charme do romance de Hiro Arikawa seria uma narrativa feita pelo ponto de vista de Nana. Quando acontece, o texto ganha muito. Infelizmente, a autora trapaceia com o leitor. Por exemplo, uma pousada para pets onde o dono de Nana pretende deixá-lo é descrita com detalhes, ficamos conhecendo seus proprietários, amigos de Satoru (aliás, a viagem é um reencontro com pessoas com nas quais tem laços afetivos).

Seria bem mais interessante e menos óbvio que conhecêssemos a pousada e o casal através do ponto de vista de Nana. Do jeito como está, tudo fica mastigadinho para o leitor. Os diálogos são tão pueris que me senti com 13 anos ao lê-los. Mas toda as restrições críticas caem por terra quando aparece Noriko, tia de Satoru, e o quebra-cabeça se completa. Aí o romance vira emoção pura. Devo ser um leitor piegas por que chorei em todas as páginas nas quais Nana volta a morar na rua, porém não há nenhuma apelação sentimental, por parte da autora japonesa.

Por que será que as histórias com bichos mexem tanto com a gente?

05/06/2018

UM ROMANCE ANACRÔNICO

 

(Uma versão da resenha abaixo foi publicada originalmente em A TRIBUNA de Santos em 05 de junho de 2018)

A coletânea “Insolitudes” foi uma excelente estreia do cearense Tiago Feijó. Como de costume, em seu segundo livro “DIÁRIO DA CASA ARRUINADA”, passou do conto ao romance.

Quim escreve um diário a partir da decisão de largar o fumo. Seu casamento está em crise (Madalena, a esposa, diz que “não está mais feliz”) e há um estranho desencontro com o pai, que parece evitá-lo.

Tiago Feijó se alinha aos romances intimistas, muito comuns no século passado, como “Marcoré” de Antonio Olavo Pereira, ou “Jazigo dos Vivos”, de Geraldo França de Lima, em especial aqueles que, seguindo a tradição de “Dom Casmurro”, mantêm o narrador imantado pelo ciúme e ressentimento com relação à amada, caso de “São Bernardo”, de Graciliano Ramos.

O problema de “DIÁRIO DA CASA ARRUINADA” é que estamos no século 21 e Feijó não acrescenta nada a essa vertente. Pior ainda: ele poderia ter escrito nos anos 30 que não faria diferença, e isto não é um elogio. “DIÁRIO DA CASA ARRUINADA” é anacrônico e defasado. Uma pena, quando pensamos na qualidade da linguagem do autor: “A verdade, eu que tanto a exigi nestes dias, que tanto a escrevi nestas linhas, que a clamei como um cego, agora a tinha ali, à minha vista, despida inteira, e cego não podia continuar a ser. Olhei o homem ao meu lado, agora espojado no chão, dormia na paz dos que dormem sozinhos. ‘…Selene…’. Ao pensar em Selene saí correndo dali, aos tropeços e aos boléus, ganhando as ruas em desespero, a plenos pulmões, engasgando lágrimas no descompasso da respiração. ‘… há-há-há-há…’. Talvez eu buscasse um lugar no mundo que me recolocasse na paz. ‘…meu pai… meu pai…’. Corri, corri, ruas e ruas, até exaurir a força do meu fôlego. Exausto, cedendo a essa dor espessa, desabei de joelhos numa poça imunda e nela encontrei meu reflexo transtornado, os olhos gordos de desesperação, desfigurados de desprezo. ‘…até onde um homem é capaz de chegar?…’”.

Em tempo: Selene é filha de Quim e Madalena.

Blog no WordPress.com.