MONTE DE LEITURAS: blog do Alfredo Monte

25/07/2017

Destaque do Blog: “Naufragar Jamais” de Pedro Alberto Ribeiro (Poeta em Queda)

 

(Uma versão da resenha abaixo foi publicado originalmente em A TRIBUNA de Santos em 25 de julho de 2017)

“Ela planejava o impossível/ com o dedo no vidro embaçado/ esperando ele voltar// hoje, divide a cela com outras oito/ e impossível é não usar a alma inteira// o peso da grade é como água/ abafando a música de pássaros imersos/ num aquário em cima da geladeira//”. Estes versos fazem parte do poema “Pássaros Imersos em Aquário”, um dos cadernos de NAUFRAGAR JAMAIS.

A 11Editora investiu num projeto ousado, publicar os poemas de Pedro Alberto Ribeiro (Poeta em Queda) em cadernos soltos, deixando livre ao leitor a ordem da leitura, embora mantendo uma unidade incrível até na ocupação da página em branco, pois são todos muito parecidos (e isto não é uma crítica).

“Tenho vestido minha pele/ como quem lança dados/ sem saber as chances de perder// descobri que viver tem gosto de domingo/ passeio com cachorro/ receitar mal seguida//”. Sempre uma impressão de confinamento, de limite. “Quem não carregue/ nos olhos toda a expressão/ e possa mantê-los abertos/ mesmo em poeira seca// Pode-se que levantem a mão/ os seres perecíveis, de carne/ frágeis ao fogo/ e com uma estranha tendência à insônia// Procura-se/ quem ainda queira/ encontrar//”.

“Eu te visto como um rio/ acampo como onda// indo/ e/ vindo/ sem fazer da saudade/ motivo para dramas// Tudo é chão// Silêncio// (teu abraço/ quando vai/ sempre acaba/ por ficar//)”. Ainda se fazem poemas de amor.

“Estes versos já não falam nada// Sem cadência/ nenhuma estrela/ ilumina a parede branca do banheiro// Se tivessem de falar/ estes versos seriam uma selfie/ tirada um segundo antes do blecaute// Talvez habitassem a foto/ algumas cores misturadas/ brincando de encontrar nas diferenças/ outra coisa que não uma palidez// Talvez caleidoscópios manuscritos/ aquarelas ainda por usar// Coisa qualquer/ para preencher a vida// Mas estes versos já não falam nada/ e nenhuma cor habita/ a hora inconfidente/ da água jorrar pelos ombros//”. Estes versos que já não falam nada talvez sejam os mais contundentes do livro.

“Os restos no prato dizem o que a boca não comeu// Escorre sangue no fio dental/ mais violento que a lâmina// Tóxicos, os agros fazem seus negócios/ num paladar para o qual a vida é/ indigesta// (é preciso café para trabalhar para/ comprar café para trabalhar)//”. Não poderia terminar esta resenha de modo mais brilhante.

 

 

 

Anúncios

18/07/2017

A MORTE DE ELVIRA VIGNA, UM GÊNIO LITERÁRIO

Filed under: Homenagens — alfredomonte @ 14:03
Tags: , , ,

  

 

(Uma versão da resenha abaixo foi publicada originalmente em A TRIBUNA de Santos em 18 de julho de 2017)

No café, em João Pessoa, depois da apresentação do seu novo livro, POR ESCRITO, e de um sanduíche, Elvira Vigna espera os chuviscos passarem e espia para ver o que vai acontecer ainda… Chega uma senhora e pergunta:

__ Então, está satisfeita?

__ Satisfeita, eu, não! Nunca!

__ Mas por quê?

__ Acho que é porque eu quero demais da vida.

__ E o que é que você quer agora?

__ Tempo, acho que a gente sempre precisa de mais tempo.

A senhora foi embora… depois informaram à Elvira: era a dona do Café! Queria saber se ela gostara do sanduíche.

No dia seguinte, nem abriu o jornal para não ver a manchete inevitável: “Proprietária de café se suicida em João Pessoa”.

Rigorosamente verídico, o diálogo acima é um típico-Elvira (para usar uma expressão cunhada por ela mesma) ao vivo!  Poderia estar em qualquer um de seus romances.

Cada vez mais, tenho a certeza de que Elvira Vigna era um gênio literário, como Juan Carlos Onetti e Samuel Beckett. Seu primeiro livro, “Sete Anos e Um Dia”, era uma crua e áspera alegoria dos anos de “abertura”. Mas seu primeiro sucesso, marcando uma intensa parceria com a Companhia das Letras, foi “O Assassinato de bebê Martê”, o qual começa a desvendar o universo dos emergentes, principalmente mulheres que se reinventavam, carregando o peso do passado, como o Brasil. Aí veio a sequência “Às Seis em Ponto”, “Coisas que os Homens não Entendem”, “Deixei ele lá e vim”, “Nada a dizer”, “O que deu para fazer em matéria de história de amor”.

Aí veio sua obra-prima, POR ESCRITO, onde o agônico superava o cáustico: “De antemão, decido. Vou tentar botar isso aqui no passado, com os verbos no passado. Não sei se vou conseguir.  Já tentei antes, mas não consigo deixar essas coisas no passado, aliás nem sei se existe isso, o passado. Acho mesmo que é como se eu estivesse num espaço assim, meio sem contorno marcado, em que as coisas entram e saem, em que os tempos convivem, Molly dança com um cara grande e quando ela dança, ela também, ao sentir a pressão do pau dele contra seu corpo, haverá de lembrar de outro pau, mais fino, mais ardido, ela também presa, dessa vez não pelas mãos grandes que a enlaçam, mas pela trama de uma colcha de rendão nas suas costas e aquele outro cara também vai estar lá, no espaço que também é meu e não só dela, todos juntos, os tempos todos juntos”.

E quem imaginaria que ela radicalizaria mais ainda em seu último livro, “Como se estivéssemos em palimpsesto de putas”. Coisas de gênio.

 

 

11/07/2017

UM LIVRO COM MOMENTOS MEMORÁVEIS

 

(Uma versão da resenha abaixo foi publicada originalmente em A TRIBUNA de Santos em 11 de julho de 2017)

Inicio esta resenha reiterando dois clichês: um, de ordem geral, a qualidade dos novos autores (quando se pensava que a língua estava em declínio, eis um rol de virtuoses) outro, especificamente, exaltando a fluência narrativa, apesar da densidade da prosa de “A ORAÇÃO DO CARRASCO”, de Itamar Vieira Junior.

Ele gosta de nos levar para o recôndito, quase alegórico em “A floresta do adeus”, uma cerca imensa de arame farpado surge do nada, separando gerações até perder sua aura: “As cercas entortam a cada dia, as pessoas se escoram sem medo, urdindo a queda lenta do que lhes separa, cada ferida aberta no metal vai se tornando parte de cada corpo, então não há importância se todos se ferem, os filetes de sangue deixam os corpos como minúsculas pétalas, petúnias encarnadas florescem na aridez da estrada, na luz morta da Floresta do Adeus”. Infelizmente, após um começo inspirado, Itamar enxerta páginas gratuitas que parecem esboço de um romance.

Também há problemas no conto-título, no qual os primogênitos herdam o oficio de carrascos. Há uma bela litania e depois uma cena brutal de iniciação marcada pelas sombras no solo. A seguir lemos uma mixórdia de proselitismos e filosofismos.

Em compensação “Alma” é um texto irretocável. Conta a fuga de uma escrava, embrenhada no sertão. A cruel ironia é que, malgrado seu nome, acompanhamos seu martírio físico, cada ferida. Em contraste: “Essas coisas boas, essas coisas tristes, nada sai de minha cabeça, vou lembrando as coisas, de cada filho que me levaram, aquele homem era como Inácio velho, Inácio que nunca será velho, ele podia se deitar aqui na tina, para ver se a imagem desse homem que pareceu na crueldade de meus senhores, cheios de rancores quando jogavam pragas ao vento por toda a riqueza que perderam”.

 

04/07/2017

SUGESTÕES DE LEITURAS NAS FÉRIAS

(Uma versão da resenha abaixo foi publicada originalmente em A TRIBUNA de Santos em 04 de julho de 2017)

Este ano marca o cinquentenário de vários clássicos modernos. Aliás, em 1967, o prêmio Nobel descobriu a existência da Guatemala, com a vitória de Miguel Angel Asturias, autor de “O Senhor Presidente”.

“Cem anos de Solidão”, de Gabriel Garcia Marquez, um dos mais influentes e amados livros de todos os tempos, mistura uma saga familiar com o avanço das multinacionais, o próprio autor colombiano ganhou o Nobel em 1982;

“As Confissões de Nat Turner”, de William Styron, que narra uma violenta revolta de escravos e onde o autor de “A Escolha de Sofia” mostra uma formação religiosa ambígua do negro americano, aliás o romance foi rejeitado pelo movimento negro;

“Ópera dos Mortos”, de Autran Dourado, que traça uma tragédia familiar como alegoria da republica velha nesse país, “Onde Política é ter a Mão na Bosta”, ele forma uma trilogia com “Lucas Procópio” e “Um Cavalheiro de Antigamente”;

“A Brincadeira”, de Milan Kundera, no qual uma brincadeira irreverente em plena ditadura soviética arruína o protagonista, e uma obra-prima;

“Quarup”, de Antônio Calado, um padre cheio de dúvidas se envolve com o problema indígena, eu não gosto do livro mas sou minoria.

 

 

Blog no WordPress.com.