MONTE DE LEITURAS: blog do Alfredo Monte

05/06/2018

UM ROMANCE ANACRÔNICO

 

(Uma versão da resenha abaixo foi publicada originalmente em A TRIBUNA de Santos em 05 de junho de 2018)

A coletânea “Insolitudes” foi uma excelente estreia do cearense Tiago Feijó. Como de costume, em seu segundo livro “DIÁRIO DA CASA ARRUINADA”, passou do conto ao romance.

Quim escreve um diário a partir da decisão de largar o fumo. Seu casamento está em crise (Madalena, a esposa, diz que “não está mais feliz”) e há um estranho desencontro com o pai, que parece evitá-lo.

Tiago Feijó se alinha aos romances intimistas, muito comuns no século passado, como “Marcoré” de Antonio Olavo Pereira, ou “Jazigo dos Vivos”, de Geraldo França de Lima, em especial aqueles que, seguindo a tradição de “Dom Casmurro”, mantêm o narrador imantado pelo ciúme e ressentimento com relação à amada, caso de “São Bernardo”, de Graciliano Ramos.

O problema de “DIÁRIO DA CASA ARRUINADA” é que estamos no século 21 e Feijó não acrescenta nada a essa vertente. Pior ainda: ele poderia ter escrito nos anos 30 que não faria diferença, e isto não é um elogio. “DIÁRIO DA CASA ARRUINADA” é anacrônico e defasado. Uma pena, quando pensamos na qualidade da linguagem do autor: “A verdade, eu que tanto a exigi nestes dias, que tanto a escrevi nestas linhas, que a clamei como um cego, agora a tinha ali, à minha vista, despida inteira, e cego não podia continuar a ser. Olhei o homem ao meu lado, agora espojado no chão, dormia na paz dos que dormem sozinhos. ‘…Selene…’. Ao pensar em Selene saí correndo dali, aos tropeços e aos boléus, ganhando as ruas em desespero, a plenos pulmões, engasgando lágrimas no descompasso da respiração. ‘… há-há-há-há…’. Talvez eu buscasse um lugar no mundo que me recolocasse na paz. ‘…meu pai… meu pai…’. Corri, corri, ruas e ruas, até exaurir a força do meu fôlego. Exausto, cedendo a essa dor espessa, desabei de joelhos numa poça imunda e nela encontrei meu reflexo transtornado, os olhos gordos de desesperação, desfigurados de desprezo. ‘…até onde um homem é capaz de chegar?…’”.

Em tempo: Selene é filha de Quim e Madalena.

09/01/2018

LEITURAS MARCANTES DE 2017: PARTE DOIS

(Uma versão da resenha abaixo foi publicada originalmente em A TRIBUNA de Santos em 09 de janeiro de 2017)

A literatura brasileira atual vai muito bem, obrigado. Veja por que:

Modos inacabados de morrer”, André Timm, Editora Oito e Meio: apesar de algumas ressalvas, um romance talentoso. Sobre um protagonista que sofre de narcolepsia.

A oração do carrasco”, Itamar Vieira Junior, Editora Mondrongo: contos cheios de momentos impactantes.

Miss Tatto”, Luiz Roberto Guedes, Editora Jovens Escribas: as aventuras e desventuras dos “tiozões”.

A Jaca do cemitério é mais doce”, Manoel Herzog, Editora Alfaguara: ainda são poderosas a pena da galhofa e a tinta da melancolia, como nos ensinava Machado de Assis.

Outros Cantos”, Maria Valéria Rezende, Editora Alfaguara: a obra-prima da grande escritora (prêmio Casa de Las Américas, prêmio São Paulo de Literatura e Jabuti).

Naufragar jamais”, Pedro Alberto Ribeiro (poeta em queda), Editora 11Editora: em cadernos soltos poemas de grande força.

Diário da Cadeia com trechos da obra inédita impeachment”: Eduardo Cunha (pseudônimo), Ricardo Lísias, Editora Record: o poder absoluto da ficção.

Machado”, Silvano Santiago, Editora Companhia das Letras: um romance que eu gostaria de ter escrito, um mosaico em torno dos anos de viuvez de Machado de Assis (prêmio Jabuti e prêmio Oceanos).

O passado é lugar estrangeiro”, Suelen Carvalho, Editora Patuá: uma estreante com voz própria.

Insolitudes”, Tiago Feijó. Editora 7Letras: contos humanos e irretocáveis.

Gotas no Asfalto”, Vlademir Lazo, Editora Penalux: expectativas frustrantes gerando boa literatura.

 

23/05/2017

Destaque do Blog: Insolitudes, de Tiago Feijó

   

 

(Uma versão da resenha abaixo foi publicada originalmente em A TRIBUNA de Santos em 23 de maio de 2017)

“Eu entendi que a vida tinha que continuar, mesmo preto e branca. A vida, para os que ficam vivos, tem sempre que continuar. A dor nunca passa, nunca passará”. Esse é um trecho de Aqui, dentro de mim, o mais humano (bem sei como esse termo é perigoso para julgar obras literárias) dos nove contos de INSOLITUDES (7Letras). É a narrativa de uma mãe que perde o filho, fulminado por um raio, a situação mais dolorosa que existe, e a qual sequer possui uma palavra para defini-la.

Curiosamente, não é a expectativa que Tiago Feijó cria para o leitor nos três contos iniciais, centrados na literatura: em “A insólita morte de Ernesto Nestor”, um escritor morre por se considerar medíocre, apesar do imenso sucesso (lembrando o protagonista de Um Homem Célebre, de Machado de Assis); em Josés, o fantasma de José Saramago dita seu último romance ao personagem de Feijó, também chamado José;  em Conto tirado de um poema, narra-se detalhadamente os acontecimentos de um curtíssimo poema de Manuel Bandeira. Parece que INSOLITUDES vai seguir o caminho da intertextualidade.

De repente, tudo muda e surgem histórias completamente cotidianas, “com a dor e a delícia de ser o que é”, portanto mais solitudes do que insolitudes, embora haja um conto, O olho, o qual nos remete às fábulas morais que utilizam um acontecimento fantástico (um olho nasce numa parede) para satirizar a rotina burocrática.

Gosto muito do já citado Aqui, dentro de mim, mas o ponto alto do livro é Uma noite na vida do sr. Lameque, que me lembrou Faulkner, com uma mãe atormentando o filho ao evocar diariamente uma tragédia ocorrida há quarenta e seis anos. Também muito forte é Há uma gota de orvalho em cada criança (título que alude a um poema de Mário de Andrade) abordando o racismo.

Porém, o conjunto dos nove contos impressiona. E impressiona ainda mais a qualidade da linguagem (uma amostra: “O bar está em polvorosa, com grande azáfama de gentes. O samba, no seu compasso cardíaco, perverte as pessoas, instala nelas um assanhamento de fogo, de labareda, bulindo com elas por dentro, afrouxando nervos e músculos, libertando dos corpos a malícia da carne”) o que, aliás, tem me causado espanto e entusiasmo não só com o autor cearense de que me ocupo nesta resenha, mas com diversos autores novos. Numa época em que as pessoas escrevem nas redes sociais eliminando as vogais, eu, velho dinossauro gramatical (só falo e escrevo palavras inteiras e detesto siglas), fico feliz de acompanhar essa revalorização da nossa língua. É para manter isso, viu?!

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.