MONTE DE LEITURAS: blog do Alfredo Monte

07/02/2012

A travessia do Atlãntico de Jules Verne: UMA CIDADE FLUTUANTE

 

    Uma cidade flutuante (Une ville flottante) é um dos textos mais originais de Jules Verne: publicado de forma seriada em 1870, e em livro um ano depois, situado—portanto—entre os formidáveis Vinte mil léguas submarinas (1870)& A volta ao mundo em 80 dias (1872), é um relato de viagem muito vívido e colorido que tenta se disfarçar de ficção, de romance. Hoje em dia, como a narrativa jornalística ganhou uma dignidade maior, ele seria mais bem aceito; creio que, na sua época, suas características híbridas levaram a considerar um romance falhado e uma narrativa de viagem um tanto falseada.

   A origem do texto está na viagem que Verne fez em 1867 no transatlântico (era o Titanic da época) Great Eastern. Assim, o grande escritor francês visitou os EUA, Nova York, Albany, as cataratas do Niágara. Mas a grande aventura mesmo é o próprio transatlântico, que reproduz balzaquianamente a sociedade do século XIX em seus conveses e cobertas. Esse caráter de microcosmo quase alegórico é o que ele enfatiza e parece tê-lo fascinado: o fato de algo artificial, criado com toda a tecnologia disponível (que, entretanto, falha tantas vezes) acabar espelhando a sociedade que o criou: “Se o Great Eastern não é apenas uma máquina náutica, se é um microcosmo e carrega um mundo consigo, um observador não se espantará de ali encontrar, como num teatro maior, todos os instintos, todos os ridículos, todas as paixões do homem” [1]. Daí o título, daí a seleção de  incidentes e vinhetas que Verne recolhe da viagem, se não contarmos com o puerilíssimo entrecho sentimental (que também tem algo de melodrama balzaquiano): o casal contrariado em seu amor, Fabian MacElwin e Ellen Drake. Apaixonada por ele, ela foi obrigada pelo pai a se casar com o aventureiro, apostador inveterado e mau-caráter Henry Drake.

  O narrador conhece de outros carnavais Fabian e o encontra, melancólico e sorumbático a bordo do Great Eastern. No folclore da viagem, há a aparição de uma mulher de preto chorosa, que ninguém sabe de onde veio. Ao longo da travessia marítima, que é bem menos veloz do que se esperava, o narrador tem a oportunidade de saber que Henry Drake também está viajando no transatlântico e ele e outro amigo (Corsican) tentam evitar o encontro-confronto.

   Porém, as coisas se complicam (devido à mania de apostas de Drake) e um duelo é inevitável. Descobrimos que a mulher de preto é a própria Ellen, vítima de uma loucura temporária.

   Tudo é uma bobagem divertida e o clímax então é maravilhoso: na hora exata do duelo, há uma tempestade impressionante e Drake é fulminado por um raio. Isso é que é solução deus ex-machina!

   Todavia, o que importa mesmo, a meu ver, na leitura de A cidade flutuante são as pequenas observações digamos “sociais”, o lado meio A montanha mágica de como a rotina e o cotidiano são disciplinados a bordo, até com contratempos, possibilidades desastrosas, atrasos etc. Nesse aspecto, Verne mostra seus dotes de escritor e não apenas de visionário: “Eram os primeiros dias bonitos.  O sol, que já teria coberto de verde os campos do continente fez brotarem no navio trajes mais frescos. A vegetação às vezes atrasa, a moda jamais. Logo surgiram numerosos grupos de pessoas passeando pelas avenidas. Como nos Campos Elísios…” etc etc.

   Para dar um realce mais pitoresco a essas vinhetas, Verne lança mão de um personagem peculiar e com opiniões desconcertantes, o dr. Dean Pitferge, que está sempre na expectativa do naufrágio do navio (isso será aproveitado no delicioso final da narrativa): “Desenfreado, o médico teria continuado muito tempo nesse tom, mas outros passageiros  desfilavam diante de nossos olhos e provocavam novas observações do tagarela. Que variedade de tipos nessa multidão de passageiros! Nenhum flâneur, é claro, porque ninguém se desloca de um continente  a outro sem um motivo certo. A maioria, sem a menor dúvida,  estaria indo atrás de fortuna nessa terra americana, esquecendo que aos 20 anos um yankee já tem uma posição e aos 25 está velho demais para entrar na luta…”

   Tenho em mãos duas edições brasileiras recentes: uma, da coleção de Verne lançada em bancas pela obscura RBA. Essa coleção a principio nem trazia nome de tradutores, porém a certa altura eles começaram a aparecer. O volume em questão traz, além de Uma cidade flutuante, outro pequeno romance híbrido, Os violadores do bloqueio. O tradutor é Pedro Guilherme dos Santos Dinis.

   A tradução que tenho citado aqui é a de Beatriz Sidou lançada numa simpática coleção chamada “Em conserva” pela Artes & Letras de Curitiba: são pequenos volumes que vêm dentro de uma lata. É uma pena que a revisão e os cuidados editoriais com o texto propriamente dito sabotem a iniciativa tão atraente. Há inúmeros erros ao longo do texto, não se deram ao trabalho de colocar nem ao menos o título original e não há nenhuma informação sobre o texto de Verne que o apresente ao leitor de hoje. Suponhamos um jovem leitor que fique atraído (compreensivelmente) pela lata que contém Uma cidade flutuante: caberá a ele todo o trabalho de localizar no tempo, no espaço e na literatura esse título. Convenhamos que um leitor interessado e inteligente faz isso naturalmente, contudo a editora (já que teve essa iniciativa tão bacana) podia dar uma forcinha, uma apresentação básica e didática. Pois o fato de que Verne embarcou ele mesmo nessa viagem não é de modo algum  irrelevante para o tipo de narrativa que estamos lendo, não é?


[1] Utilizo uma tradução de Beatriz Sidou. Há uma analogia do transatlântico com Londres, que lembra até um trecho dickensiniano (o início de Casa soturna, por exemplo): A coberta  ainda não era mais do que um imenso canteiro de obras entregue a um exército de trabalhadores. Eu não conseguia me convencer que estava a bordo de um navio. Muitos milhares de homens, operários, pessoal da tripulação, mecânicos, oficiais, manobristas e curiosos se cruzavam, acotovelavam-se sem se incomodar, uns no passadiço, outros nas máquinas, estes correndo os camarotes, aqueles espalhados pela mastreação, todos numa confusão que foge a qualquer descrição. Aqui, as gruas móveis erguiam enormes peças de ferro fundido e ali, pesados pranchões de madeira eram içados com a ajuda de guindastes a vapor (…) Construía-se,ajustava-se, martelava-se, aparelhava-se a embarcação, polia-se tudo, no meio de uma desordem incomparável (…) Decidi então visitar todos os buracos daquele imenso formigueiro, e comecei meu passeio como teria feito um turista em alguma cidade desconhecida. Uma lama negra—esse lodo britânico que se gruda no pavimento das cidades inglesas—cobria todo o convés do vapor. Regatos fétidos escorriam aqui e ali. Podia-se acreditar estar em um dos piores trechos da Upper Thames Street, nas vizinhanças da ponte de Londres…”

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 1.486 outros seguidores