MONTE DE LEITURAS: blog do Alfredo Monte

29/11/2016

Destaque do Blog: ESTAÇÃO DAS CLÍNICAS, DE IACYR ANDERSON FREITAS

estacao-das-clinicas-livro iacyr-anderson-freitas

(Uma versão da resenha abaixo foi publicada originalmente em A TRIBUNA de Santos, em 29 de novembro de 2016)

Corredores de hospital, sangue fezes, câncer, tumores, gases, alzheimer, este é o universo que percorrem os poemas de ESTAÇÃO DAS CLÍNICAS (publicado numa edição caprichada pela editora Escrituras). Um poema é emblemático: “o espírito sangra/desde o princípio//já o corpo/hoje sangra/escondido//o que o outro/lhe sugere/em sigilo”.

Faz tempo que eu tenho vontade de comentar a poesia de Iacyr Anderson Freitas, uma das melhores da literatura contemporânea, embora com uma certa ressalva: que sua perícia técnica engessava seus poemas num formalismo excessivo. Em ESTAÇÃO DAS CLÍNICAS, sem perder o rigor poético, ele aparece mais solto e cru, misturando o visceral e o jocoso (principalmente nos títulos, como em “Camilinho, acamado”: “dois dias de dores/no baixo-ventre/ou quase//e/o médico/o de sempre/:gases//nada de grande/importância//até para sofrer/lhe falta/substância”): “cada segundo/sabe o sal/ de sua queda//tudo existe para cair//até o não//de nenhum/chão”.

Quem já foi internado e se viu cercado pela burocrática da vida medicalizada, uma das características da nossa época, vai ao mesmo tempo rir e chorar com a verdade profunda que Iacyr imprimi em “raiz tão profunda”: “era só tirar/uma verruga/coisa boba de tudo/e foi aquela tortura//sete dias internado/e a morte/na agenda/para o próximo/sábado//é que a verruga era funda/assim tão funda/assim tão funda/e tão alva//que feria/a alma”.

Um dos belos lançamentos de 2016, ESTAÇÃO DAS CLÍNICAS pode ser resumido pelos maravilhosos versos finais de “Menos um dia”: “para ascender mais um dia/ao calvário//de nenhum/calendário”.

estacao-das-clinicas-jornal

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.