MONTE DE LEITURAS: blog do Alfredo Monte

19/04/2013

Um clássico do romance brasileiro: CIRANDA DE PEDRA


VER TAMBÉM NO BLOG:

https://armonte.wordpress.com/2013/04/19/historias-de-desencontro-entre-lygia-fagundes-telles-e-seus-contos/

(resenha publicada originalmente em A TRIBUNA de Santos, em 07 de setembro de 2004, em função do cinquentenário do romance)

Lygia Fagundes Telles, exímia contista (basta ler Antes do baile verde), estreou há exatamente cinquenta anos na área do romance com CIRANDA DE PEDRA. Até agora publicou mais três, todos excelentes (Verão no aquário; As meninas; As horas nuas), sem que isso tire o status de clássico desse seu primeiro trabalho.

Há um aspecto relativamente envelhecido, ou melhor, datado, em CIRANDA DE PEDRA, aquele em que o olhar de Virgínia, filha bastarda de uma mãe que abandonou o lar para viver com o homem amado e que, entretanto, acaba vivendo com o falso pai, serve como instrumento de desmascaramento da hipocrisia e da podridão da sociedade burguesa.

Há muito tempo os alicerces da burguesia já foram carcomidos. Por isso, não será nenhuma surpresa para o leitor de hoje descobrir que os jovens que encantavam Virgínia e alimentavam seu sentimento de inferioridade e exclusão, na infância, revelar-se-ão ídolos com pés de barro: Conrado, seu amor “infantil” e um tipo recorrente na obra da grande escritora paulista, é impotente; a virtuosa Bruna, uma das suas meio-irmãs, e quem mais condenava a atitude da mãe, casa-se com toda a pompa e circunstância, mas mantém um caso com um tenista, Rogério, o qual fica atraído pela cinderelesca Virgínia que ressurge após anos de internato, assim como o marido de Bruna, Afonso; Otávia, a outra irmã, é quase um símbolo do descaso e da desfaçatez; Letícia, a irmã de Conrado, enveredou pelo lesbianismo e também se interessa pela heroína, a qual, dessa forma, é insistentemente convidada a entrar na “estranha ciranda! Eram solidários e no entanto se traíam. Eram amigos e contudo se detestavam”.

Esse lado mais epidérmico, mais condicionado pela expectativa de um enredo “ousado”, é superado totalmente pela brilhante construção do foco narrativo. CIRANDA DE PEDRA é uma das obras mais bem elaboradas e talentosas, do ponto de vista técnico, da nossa ficção, e sem o aparato laborioso e afetado de autores que se esforçaram para alcançar tal ‘sofisticação”, como José Geraldo Vieira, Lúcio Cardoso ou Octavio de Faria.

Lygia Fagundes Telles pratica o chamado discurso indireto livre, colando o discurso do narrador à percepção e linguagem da sua protagonista, de forma a garantir adesão total do leitor ao seu processo de decifração dos códigos que regem a ciranda desse grupo de familiares e amigos. Mas ela vai mais além: praticamente em todos os capítulos do romance, ao mesmo tempo em que acontece a cena presente, emergem reminiscências do passado, intuições do futuro, fantasias, de maneira natural e  quase imperceptível, fazendo jus ao universo sorrateiro e em surdina que retrata.

Cada momento se torna, dessa forma, riquíssimo e ampliado. E também perfeitamente adequado a uma personagem que diz: “…sinto os meus mortos em redor. Eles continuam, embora nenhuma força consiga governá-los. Mortos e vivos, estão todos por aí, completamente soltos. E a confusão é geral”.

Anúncios

3 Comentários »

  1. que bom ler um post sobre esse livro.

    =] . realmente, alfredo, é um grande trunfo desse romance a escolha do narrador.

    a forma como ficamos grudados a virgínia, descobrindo as coisas à medida que ela descobre… isso é ótimo. e é um recurso usado em alguns contos, mesmo que não haja um narrador do mesmo tipo.
    gosto demais de como, nesse romance, a gente vai sofrendo junto com virgínia; de como as coisas são reveladas a nós ao mesmo tempo que são reveladas a ela.
    acho uma qualidade da lygia isso de, em seus textos, as personagens revelarem umas às outras, sem a intervenção do narrador exterior – e a consequente incerteza do leitor em relação a tudo o que é dito. como acontece em “a medalha” (um puuuta conto).

    contente pelo post.

    abraço.

    Comentário por niltonresende — 05/08/2012 @ 0:33 | Responder

    • Caro Nilton, você tem toda razão, nós “sofremos” com Virginia toda a experiência de CIRANDA DE PEDRA, e ao mesmo tempo temos incerteza a respeito de tudo, porque nunca é uma visão completa. É por isso que acho que Lygia é a coisa mais próxima de Henry James que a nossa literatura produziu pós-Machado.
      Abração.

      Comentário por alfredomonte — 05/08/2012 @ 14:02 | Responder

      • exato, alfredo.
        em nossa literatura pós-machado, ela é nosso autor mais jamesiano.

        e preciso voltar a “pelos olhos de maisie”, acabar de ler e escrever algo a respeito.

        Comentário por niltonresende — 05/08/2012 @ 18:06


RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: