MONTE DE LEITURAS: blog do Alfredo Monte

26/11/2012

COMO CHEGAR AO CASTELO?


(resenha publicada originalmente em “A Tribuna”  de Santos em 26 de dezembro de 2000)

Era  muito aguardada a tradução de O CASTELO, a única inédita entre as realizadas até agora por Modesto Carone e editada pela Companhia das Letras. Antes dela, tinhamos a versão de Torrieri Guimarães, com forte sabor lusitano, e a do obscuro D. P. Skroski, cujo nome já tem um sabor kafkiano, feita a partir da versão americana (o título original aparece como The Castle!!??) e com um texto truncado, cheio de erros de revisão, embora não faltem soluções interessantes.

Quando propus na minha coluna uma lista dos 100 maiores romances do século XX, O CASTELO (escrito por volta de 1922, mas só publicado postumamente em 1926) veio em terceiro lugar (vindo depois de A montanha mágica, de Mann, e de Luz em agosto, de Faulkner). Poderia vir em primeiro.  Junto da “classificação” havia o seguinte comentário: “Extraordinária alegoria da condição humana, ao mesmo tempo terrível e cômica. Não é à toa que kafkiano se tornou um vocábulo corrente, usual”.

Ao se pensar em alegoria, se pensa imediatamente na sua decodificação inequívoca: alegoria de quê? Infelizmente, as coisas não são tão fáceis com Kafka, e temos de fazer eco ao lamento de vários comentadores das suas obras: como interpretá-las? Como penetrar no seu mistério, no seu fascínio, na sua junção do terrítel e do cômico? Que interpretação dar para a história de K., que chega à aldeia dominada pelo Castelo do Conde Westwest e se apresenta como agrimensor contratado? Como se sae, houve um erro nos trâmites administrativos e essa contratação era desnecessária. Oferecem a K. emprego como zelador da escola da aldeia,em meio à confusão que ele arranja não só por suas tentativas malogradas de entrar em contato com o alto escalão do Castelo (especialmente Herr Klamm), como também por se tornar amante de Frieda (a quem todos no lugarejo atribuem uma ligação com Klamm), encarregada do bar na Estalagem dos Senhores, isto é, utilizada pelo pessoal administrativo do Castelo quando ele se encontra na aldeia, fazendo com que ela abandone seu posto.

Como se não bastasse, ele também se torna íntimo de uma família proscrita na aldeia, cuja história ocupará boa parte do romance e espelhará a de K.

K. é isso: um erro administrativo. Sua individualidade é o elo mais frágil e fantasmagórico de uma incessante tramitação burocrática de memorandos, dossiês e processos. Ele, com teimosa paciência, tenta afirmar-se enquanto indivíduo, entretanto malogra porque ninguém consegue compreendê-lo, é sempre aceito ou rejeitado pelo cargo que ocupa ou não ocupa (agrimensor ou zelador) ou pela situação de seu processo no Castelo (que se parece muito com um julgamento).

Quando encontra um interlocutor, como Amália e Olga, as irmãs proscritas, ou Pepi, substituta de Frieda no bar da Estalagem dos Senhores, esse interlocutor é quem toma a palavra e monologa interminavelmente sobre suas próprias desventuras.

Foram citadas, neste meu texto, as mulheres da história (embora haja várias personagens masculinas): Amália, Olga, Frieda, Pepi. Pois há uma atmosfera difusa e viscosa de sexualidade em O CASTELO, a qual parece ir minando a força do herói, ou melhor, parece ser a única dimensão em que se permite a ele alguma ação, ainda que leve a diversos equívocos. Esse clima promíscuo liga-se à opressão do Castelo na medida em que se anula o que é privado e o que é público no romance: quando K. e Frieda transam no bar da Estalagem dos Senhores pela primeira vez, o ato é assistido pelos ajudantes de K. recrutados pelo Castelo, os quais testemunham igualmente toda a intimidade do casal quando passam a morar juntos, e não apenas os ajudantes como também  criadas, professores, alunos. Dificilmente há um momento na narrativa em que K.  consiga ficar sozinho e geralmente nesses parcos momentos ele está perdido ou desorientado.

O grande autor de Praga escreveu alguns textos sobre filhos oprimidos (O veredicto, A metamorfose), numa clave mais evidentemente autobiográfica. Em seus dois grandes romances (O processo é o outro) tudo se complica: filhos sem pais se lançam no mundo, literalmente perdendo-se e desorientando-se, o que demonstra como ele reelaborou ao extremo os resíduos biográficos na sua obra, tornando a interpretação mais complexa e tortuosa.

O fator mais insólito do texto é a maneira côica, quase à moda de um pastelão do cinema mudo, com que Kafka vai estabelecendo situações intoleráveis: “No albergue foi logo para o quarto e deitou-se na cama. Frieda instalou-se num leito ao lado, no chão, os ajudantes haviam se enfiado ali, foram expulsos, mas voltaram de novo pela janela….volta e meia entravam também as criadas fazendo barulho com suas botas de homem, para trazer ou pegar algo.Se precisavam de alguma coisa entre as várias que entupiam a cama, puxavam-na sem nenhuma consideração por debaixo de K.”.

É preciso dizer que a versão de Modesto Carone deixa a desejar em alguns aspectos. Já foi uma opção infeliz, a meu ver indefensável, dividir os enormes parágrafos a que estamos acostumados, toda vez que um personagem toma a palavra, diluindo a densidade opressiva e “fechada” da obra-prima máxima de Kafka (quem se der ao trabalho de comparar com as versões anteriores pode constatar o que se perdeu em atmosfera). Além disso,  entre outros detalhes,  é difícil acreditar que, estando K. e Frieda nus na cama, uma criada atire sobre eles uma toalha (para Torrieri Guimarães, ela atira uma coberta e para o misterioso sr. Skroski um cobertor,o que é mais lógico, convenhamos).  Trechos inteiros ficam mais compreensíveis nas outras traduções. Há também erros gritantes, como na página 307 (mas há aí parece ser mais um caso de problemas com a revisão): “Ora, vocês são muito parecidas, mas o que distingue Amália de vocês duas é totalmente desfavorável a  ela” . Na verdade,  as duas irmãs, Amália e Olga, são parecidas entre si, e com o irmão, Barnabás,  suposto mensageiro entre Klamm e K., não há três irmãs mulheres.

O mundo nos arredores do Castelo já é labiríntico e opressivo sem tais falhas e erros, ocultos pela fanfarra das “traduções definitivas”. Sendo o mundo kafkiano o que é, sabemos aonde podem levar falhas e erros…

VER TAMBÉM NO BLOG:

https://armonte.wordpress.com/2012/09/25/fascinio-de-kafka-nao-se-esgota/

https://armonte.wordpress.com/2009/12/14/o-processo-e-a-peste-a-culpa-e-a-inocencia-da-humanidade/

https://armonte.wordpress.com/2012/11/25/o-terror-nas-dobras-do-pastelao-o-desaparecido-de-kafka/

https://armonte.wordpress.com/2010/04/07/a-morte-do-caixeiro-viajante/

https://armonte.wordpress.com/2012/09/25/o-amor-complicado-dos-marxistas-por-um-cinefilo/

https://armonte.wordpress.com/2010/06/27/toy-story-as-exigencias-da-infancia/

https://armonte.wordpress.com/2010/06/29/um-verdadeiro-exercicio-de-parodia/

8 Comentários »

  1. Estou pensando em ler o castelo, estou lendo O PROCESSO e esses erros aos quais você se referiu me desanimaram…
    Mesmo assim alguns erros não podem tirar a beleza da obra…
    Muito bom o texto!

    Comentário por drawingskillers — 16/04/2010 @ 10:53 | Responder

  2. olá, alfredo: que interessante que o castelo seja um dos seus “mais, mais, mais”!
    fiquei curiosa com a menção a d. p. skroski – dei uma levantada, tem bastante coisa feita por ele, sempre do inglês, e sempre para a editora nova época. a nova época era terrível – não duvido que fosse bem intencionada, mas as edições realmente deixavam muitíssimo a desejar. tenho alguns kafkas dela. é dos meados dos anos 70 até começo dos anos 80.
    quando a livraria exposição do livro com seus kafkas torrierianos diretamente do espanhol quebrou, e antes que seu dono abrisse a hemus, apareceu a nova época – não tem nada a ver com o pessoal da exp. do livro e hemus, mas é que é bem nesse período que ela surgiu, e justamente com vários kafkas. skroski até pode ser pseudônimo, mas acredito que existiu e que suas traduções (mesmo que, pelo visto, muito ruins) eram legítimas.
    é, o problema das fanfarras é que podem atordoar ou ensurdecer os circunstantes… em todo caso, com carone mudamos de patamar, o que é um salto de qualidade inestimável.

    Comentário por denise bottmann — 23/06/2011 @ 23:05 | Responder

  3. ih, alfredo, eu disse um monte de bobagens! desconsidere, por favor. estou encontrando algumas coisas que não batem com uma pesquisa que eu tinha feito sobre a metamorfose (a partir da tese do donizete cruz, mto interessante). vou ter de checar bem melhor. em todo caso, encontrei várias referências à nova época e kafka já desde 48! que maluquice a minha, ter situado a nova época nos anos 70…

    Comentário por denise bottmann — 23/06/2011 @ 23:22 | Responder

    • Oi, Denise, não deixe de mandar notícias sobre o misterioso e kafkiano sr. Skroski. Na verdade, parece que eu menosprezo a contribuição de Modesto Carone, porém não é verdade. As traduções dele, antes mesmo de serem publicadas em livro, já me impactaram quando li, acho em 83, no FOLHETIM parábolas curtas de Kafka. Acho apenas que um trabalho legítimo, honesto e talentoso foi encompado pelas fanfarras editoriais. Mas Carone é o capítulo central na história de Kafka no Brasil.
      Abração.

      Comentário por alfredomonte — 27/06/2011 @ 10:51 | Responder

  4. alfredo, o sobrenome “skroski”, provavelmente de origem polonesa, não é raro entre nós. talvez o tradutor não tenha ficado muito conhecido porque pelo visto trabalhava só com a nova época, também razoavelmente obscura e de edições bastante matadas (o alinhamento do linotipo na contracapa de uns kafkas dá dó de ver, de tão tortinho….). mas eis uma listinha:
    – A ERA DO ABSURDO – O FIM DO CONSENSO RACIONAL CHARLES FAIRG/TRAD/D.P.SKROSKI NOVA EPOCA
    – Não Mato por Prazer, de JOHN GODEY, editora Nova Época Editorial, … Tradução D.P. Skroski
    – BERMUDA: TRIÂNGULO DA MORTE , de MARTIN EBON – Tradução de D.P.SKROSKI – NOVA ÉPOCA EDITORIAL
    – O Golpe de um Bilhão de Dólares – Paul E. Erdman – Nova Época Editorial/Tradução D.P. Skroski/
    – Super Detetive – B. W. Von Block – Nova Epoca – Tradução D.P. Skroski
    – Viva superestrela.Nova Época. Tradução de D.P.Skroski
    – A Grande Revolta, de GEORGE BRUCE, editora Nova Época. Tradução de D.P.Skroski

    quanto à confusão das datas, acho que deslindei (com o auxílio do celso donizete cruz): há vários registros na estante virtual e mesmo numa biblioteca pública de minas gerais dando o ano da edição d’a metamorfose e tb da colônia penal em tradução de syomara cajado em 1948. as edições da nova época dão corretamente que a edição usada na tradução é em inglês (the metamorphosis, the penal colony) – que foram justamente publicadas pela Schocken Books em 1948! então esses cadastramentos é que fizeram confusão, dando a data da edição americana como se fosse a brasileira, a qual, de fato, aparece sem data (pelo menos no meu exemplar d’a colônia – a metamorfose da nova época eu não tenho).

    ufa, desculpe o tumulto!

    Comentário por denise bottmann — 27/06/2011 @ 12:26 | Responder

    • É, eu estranhei a possibilidade de que as traduções da Nova Época realmente fossem mais antigas porque tenho um livro dos anos 60 de Léo Gilson Ribeiro, “Cronistas do Absurdo” onde ele comenta a exiguidade do conhecimento da obra de Kafka no Brasil, e também por essa época é que, creio eu, saíram as “pioneiras” versões de Torrieri Guimarães (não serei ingrato, conheci O Processo & O Castelo através dele).
      Agora, que o tradutor skroski e a editora parecem saídos dos romances fuliginosos de Graham Greene, ou que se pareçam àqueles personagens bizarros do mundo literário que Nabokov tanto gostava de caricaturizar, isso parece mesmo.
      Acho que vou lançar a campanha: EM BUSCA DO SR. SKROSKI….

      Comentário por alfredomonte — 27/06/2011 @ 15:06 | Responder

  5. Muito bom o seu blog, Alfredo. Só estou postando pra parabenizar pelo trabalho e tentar incentivar a continuar. Dificilmente acho bons blogs sobre literatura, tive a sorte de achar o seu, que me deu uma baita vontade de ler Thomas Mann, que, sinceramente, só conheci pelo título Morte em Vezena. Enfim, ótimas resenhas e escritos.

    Comentário por asdf — 26/11/2012 @ 22:53 | Responder

    • Obrigado pela gentileza. Abração, Alfredo.

      Comentário por alfredomonte — 27/11/2012 @ 10:41 | Responder


RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: