MONTE DE LEITURAS: blog do Alfredo Monte

22/10/2012

DEZ DE DORIS

Filed under: autores centrais,Livros que eu indico — alfredomonte @ 14:30
Tags: ,

Quando gostamos muito de um autor, fazendo constantes referências a ele, e principalmente quando sua obra é composta de uma variedade enorme de títulos, é comum as pessoas interessadas perguntaram qual o livro que seria ideal para começar a leitura, ou quais os nossos  favoritos.

Como Doris Lessing desde 1950 publicou muito, resolvi fazer um roteirinho básico de leitura, com dez dos meus textos prediletos, destinado a quem deseje se iniciar no universo da “arqueóloga das relações humanas”. A numeração abaixo não tem qualquer sentido de hierarquia (e nem quer dizer que os livros não arrolados não sejam importantes,é apenas um vislumbre de uma produção multifacetada e riquíssima):

1)    A tentação de Jack Orkney– Acho que este pequeno romance, publicado como conto, em 1972, e assim mantido nas Collected stories- volume 2 (1978), é a melhor porta de entrada do mundo lessinguiano.  Jack Orkney é um político de esquerda ateu  que, a certa altura da vida, se deixa contagiar, quase como que uma infecção, por Deus. Imaginem, presos como somos a grades de referências e a personalidades encouraçadas ao longo do tempo, o que isso acarreta. Como li o texto de Lessing mais ou menos na mesma época da leitura de A negação da morte,  de Ernest Becker, eles ficaram indissociavelmente ligados na minha memória como grandes reflexões sobre fé, construção neurótica de caráter e prisões  referenciais.

2)     Memórias de um sobrevivente– Outro texto que pode servir de porta de entrada. Publicado em 1974, no Brasil teve o charme extra de ser traduzido por Clarice Lispector. Ele se passa num futuro indeterminado, em que os jovens se transformaram em hordas hostis, toda a estrutura social está precária e esgarçada, e os mais velhos tentam sobreviver refugiados em seus apartamentos. Num deles, a narradora percebe que as paredes “se abrem”, levando-a a realidades alternativas, a territórios diversos. De todas as distopias das últimas décadas, essa é a mais pungente e conseqüente, a meu ver. E é um dos textos mais lindos e perfeitos de uma autora que parece ter vergonha de construir textos lindos e perfeitos.

3)    Ao quarto dezenove (To room nineteen, no Brasil apenas “O quarto 19”)- Publicado inicialmente numa coletânea de 1963, pertence ao ciclo de The Golden Notebook, ciclo perigoso porque poderia confinar a escrita lessinguiana a uma questão de gênero. Contudo, como sempre, ela vai muito além de qualquer limitação. É curioso que a história foi homenageada por Michael Cunningham em As Horas (a parte da mãe do poeta), e nela, uma mulher aluga o mesmo quarto para ali fugir das suas referências. Aos poucos vai se apegando tanto àquele  espaço, vai de tal forma alargando sua permanência ali, que o leitor já deve desconfiar do desfecho. Uma obra-prima.

4)    O caderno  dourado(1962)- Atingiu o meio-século esse monumento do romance que faria por si só a glória literária de Doris Lessing não fosse pela equívoca questão do feminismo. Sejamos claros, é um livro feminista, mas é principalmente uma grande experiência com a forma do romance. Ao explodir a neurótica divisão da protagonista (que compartimenta sua vida em cadernos de notas estanques, de cores diferentes –um para a política, outra para a literatura, outro para os problemas psicológicos, e assim por diante), num caderno de notas (o dourado) que representa o caos e a piração do mundo, ela de certa forma absorveu toda a sua obra anterior, muito prestigiada pelos temas “africanos”. Estamos no pórtico da “grande” Doris Lessing, a narradora épica e tolstoiana do nosso tempo.

     Escolhi verter o título original (The golden notebook) de forma mais literal porque não suporto o título brasileiro (O carnê dourado), particularmente infeliz.

5)    A cidade de quatro portas (The four-gated City)- Em 1969, ela completou um ciclo que se iniciara em 1952, com Martha Quest. Os quatro volumes anteriores são belos romances de formação, com cenas inesquecíveis, e quem é apaixonado por Doris Lessing não os dispensa nem morto. Comparados, no entanto, ao quinto, empalidecem visivelmente: Martha Quest abandona a África e vai para a Inglaterra pós-guerra, e de mulher independente torna-se uma espécie de babá dos filhos de um intelectual. É o fantasma que persegue Lessing, mas ainda é pouco: há o espectro da guerra nuclear, há a possibilidade da criação de uma humanidade pós-nuclear, novas concepções da mente, do homem, da família. Enfim, é Freud, Marx e o Apocalipse, tudo no mesmo livro. Doris Lessing começa a conter a vida inteira em seus livros.

6)    Roteiro para um passeio ao Inferno (Briefing for descent into the Hell, 1971)- Foi o primeiro livro que li de Lessing e, até certo ponto, o mais impressionante. No início, ele se passa no plano da alucinação, evocando mitos civilizatórios e de barbárie, se passando em ambientes primitivos e arquetípicos; depois, ficamos sabendo que o protagonista é um professor que “pirou”. Mais uma vez, a corda bamba se dá entre o caos que pode dar início a um novo começo, ou a volta a uma ordem conformista e  compartimentadora, que só leva à neurose e ao desespero. Menosprezado por alguns, como se fosse uma mera ilustração das idéias de Ronald D. Laing (O eu dividido), esse romance é de uma riqueza assombrosa, provavelmente daí vem sua irregularidade genial.

7)    Gatos e mais gatos (On Cats, 2002)- Doris Lessing dedicou muitas páginas e alguns livros aos gatos. Esse livro reúne tanto ficção quanto passagens biográficas reveladoras. Como eu mesmo sou devoto da religião felina, ninguém deve estranhar a inclusão desse título. No entanto, sinceramente acho que o incluiria de qualquer forma, pela perspicácia e valor literário.

8)    Amor, de novo (Love, again, 1996)- O belíssimo romance sobre o envelhecer que marcou a volta da ficcionista maior da nossa época após alguns anos de mornidão (aqueles que escreveu depois do lindíssimo Planeta 8-Operação Salvamento, de 1982—nenhum deles chega a ser fraco, mas em todos parece faltar algo, um brilho maior). De fato, parece ter destravado de tal forma sua escrita que ela voltou a apresentar nova fase de brilho.

9)     As avós (The grandmothers, 2002) e A fenda (The Cleft, 2007)- Dois pequenos romances que também seriam ótimas introduções não fossem uma espécie de quintessencialização, de depuração extrema, dos temas que sempre foram dominantes na obra de Lessing: no primeiro, com perversidade, ela volta aos universos femininos sufocantes, na história de mães amigas que se tornam amantes dos filhos uma da outra numa espécie de “planeta em separado”, criando mais do que as famílias disfuncionais da moda, uma espécie de clã autofágico; no segundo, já pela ressonância fisiológico-sexual do título, ela opõe padrões civilizatórios, masculinos e femininos, numa parábola que eu considero politicamente incorreta (graças a Deus).

10)    Shikasta(1979)- Ficou o melhor por último, ou seja, a grande obra que deu munição aos críticos que sempre a menosprezaram (ou passaram a menosprezá-la daí para a frente, entre eles Harold Bloom e George Steiner).  É a história de como um planeta que era cuidado por uma potência extraterrestre “espiritual” (Canopus) perde essa conexão, e vai mergulhando no materialismo, na violência e na degradação ambiental, ambicionado pelo pragmático império rival de Canopus, Sirius, e saqueado pelos piratas de Shammat. Depois, vieram mais quatro romances da série Canopus em Argos: Arquivos, três deles extremamente belos, mas no quinto, Os agentes sentimentais (1983), ela já parecia mais desinteressada (e mais didática do que ficcional).

     O que impressiona especialmente em Shikasta é a alquimia da fabulação com a exposição reflexiva. É a literatura seguindo sua vocação de transcender a si mesma.

VER TAMBÉM NO BLOG:

https://armonte.wordpress.com/2013/10/22/destaque-do-blog-shikasta-de-doris-lessing/

https://armonte.wordpress.com/2013/11/18/a-filha-da-primeira-guerra-alfred-e-emily-de-doris-lessing/

https://armonte.wordpress.com/2012/10/22/multipla-doris-lessing/

https://armonte.wordpress.com/2012/10/22/a-rede-social/

https://armonte.wordpress.com/2012/10/22/a-maravilhosa-vida-longa-de-doris-lessing/

https://armonte.wordpress.com/2012/10/22/leitura-em-espelho-andando-na-sombra-de-doris-lessing-e-a-forca-das-coisas-de-simone-de-beauvoir/

https://armonte.wordpress.com/2012/10/22/amor-de-novo-e-a-vocacao-de-doris-lessing-para-borrar-quadros-harmoniosos/

4 Comentários »

  1. Oi Alfredo. Acabei conhecendo seu blog numa busca por referências a Doris Lessing – uma de minhas escritoras preferidas, apesar de ter lido muito pouca coisa dela. Gostei de mais de conhecer um pouco mais de sua obra, e certamente procurarei outros títulos, inclusive dentre esses que você comentou. Como você mesmo disse, sua lista é pessoal, um guia pra um iniciante, mas eu não pude deixar de notar a falta do magnífico “Verão Antes da Queda”. Kate Brown é uma personagem icônica pra mim e esse livro beira a perfeição com todas as suas linhas de reflexão. Também gosto muito do “A Terrorista”. Não sei bem o título original, mas é também um grande exemplo da obra de Lessing. No mais, parabenizo pelo blog, e se você quiser trocar idéias e sugestões de leitura, será muito bem vindo. Meu email é o marcelo.mep@gmail.com Um grande abraço. Marcelo

    Comentário por Marcelo Medeiros Pereira — 21/10/2013 @ 15:41 | Responder

    • Bem, caro Marcelo, não incluí “O verão antes da queda” e nem “A Terrorista” (The good terrorist) para ficar no “dez de Doris”. Porque, de fato, podiam ser quinze, de tanto que gosto de todos os livros dela em geral, uns mais, outros menos. Obrigado pelo comentário, o e- mail, e pelas palavras gentis, um grande abraço.

      Comentário por alfredomonte — 22/10/2013 @ 6:43 | Responder

  2. Alfredo Monte, mais uma vez você arrasou. Post sóbrio e informativo sobre uma grande escritora, que contribuiu muito para afirmar o papel da mulher como um intelectual completo e um ser subjetivo de grande sagacidade e sensibilidade. doris lessing também enriqueceu a ficção científica (que tanto adoro) com textos profundos e renovadores do gênero. uma grande perda. mas que vida extraordinária.

    Comentário por ricardo santos — 17/11/2013 @ 17:01 | Responder

    • Valeu, Ricardo. Às vezes, um autor tem tantos livros que é preciso alguma orientação no labirinto. Fiz como gostaria que alguém fizesse por mim. Abração.

      Comentário por alfredomonte — 18/11/2013 @ 9:45 | Responder


RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: