MONTE DE LEITURAS: blog do Alfredo Monte

01/05/2011

O DOMÍNIO DOS CEGOS: os 50 anos de SOBRE HERÓIS E TUMBAS, de Ernesto Sábato


Nota de 2011Este ano  é comemorado não só o centenário de Ernesto Sábato (que ainda vive),  em 24 de junho, como os 50 anos de seu grande romance Sobre heróis e tumbas, que me acompanha há quase 30 anos de forma muito presente, na mesma medida em que A escolha de Sofia. Entre outras experiências de leitura, meu projeto original de mestrado (em 1994) o incluía, e eu dei um curso sobre ele em 2008. A resenha abaixo foi publicada originalmente em A TRIBUNA de Santos, em 09 de julho de 2002.

Quando se pensa na literatura argentina, dois romances extraordinários logo são lembrados:O jogo da amarelinha (Rayuela, 1963), de Julio Cortázar, e Sobre heróis e tumbas (Sobre héroes y tumbas, 1961, aqui comentado na tradução de Rosa Freire d´Aguiar), de Ernesto Sábato, uma visão apocalíptica da Argentina que ganhou nova tradução no Brasil (houve uma anterior, à qual se pode fazer algumas restrições, de Janer Cristaldo, publicada pela Francisco Alves e também, com uma cuidadosa revisão, pelo Círculo do Livro, a qual eu tive sorte de ler em 1982) num momento em que o país vive um pesadelo de derrocada que parece ter saído do universo sabático.

Segundo o próprio autor (numa entrevista a Emir Rodriguez Monegal), Sobre heróis e tumbas é um  “poema metafísico”.  É verdade, ainda que seja uma narrativa-síntese do destino da Argentina, ele extrapola essa moldura para se tornar uma grande investigação sobre o Mal, na linha de Dostoievski e de Faulkner. Por concentrar tantas coisas, é difícil falar a seu respeito, ainda mais se levarmos em conta a sua estrutura narrativa: na maior parte das vezes, uma situação está encavalada na outra, criando um efeito de duplicidade: os personagens espelham uns aos outros, todos têm um “duplo” na trama.

O início já é sintomático desse enovelamento dos fatos:Martín conhece Alejandra Vidal Olmos (que assassinará o pai e colocará fogo em si mesma) em 1953 e a revê—para viver os fatos culminantes do enredo—em 1955, mas ao mesmo tempo está conversando a respeito disso anos depois com Bruno, que era apaixonado pela mãe de Alejandra, Georgina (episódio detalhado na última parte do romance).

Quem são os Vidal Olmo? Uma família antiga que envergonha os ramos mais prósperos da estirpe por insistir em morar num bairro que se proletarizou (Barracas) e é constituída por uma fauna exótica e bizarra: uma Vidal Olmos viveu enclausurada durante décadas guardando a cabeça do pai, que fora decapitado pela polícia do ditador Rosas (e Sobre heróis e tumbas tem como “canto paralelo” a retirada do heróico e patético pelotão do general Lavalle, nas guerras pós-Independência).

Alejandra é a última do clã. Para se ter uma idéia sumária a seu respeito,o autor utiliza a seguinte imagem: nos contos de fada ela seria a princesa e também o dragão. A relação com ela educa sentimentalmente Martín, o atormentado herói em formação do livro (também pudera: cresceu com a mãe contando a ele as várias tentativas para abortá-lo e ele se refere à genitora como “mãe-cloaca”), enquanto ela se encaminha para a destruição, como se fosse uma Antígona perdida na era Perón.

A parte mais famosa do romance é o Relatório sobre os cegos, narrado pelo pai de Alejandra, Fernando Vidal Olmos. Nela ,Sábato radicaliza o clima aterrador do seu romance anterior, O túnel (1948): tudo é paranóia, o mundo se revela uma vasta conspiração labiríntica e o pretenso investigador do Mal é uma figura tão maligna quanto o que investiga. Para Fernando, uma Seita de Cegos domina o universo: os cegos são como que seres zoologicamente diferentes de nós, com aspectos similares aos répteis.

Só para resumir um pouco do intrincado relatório: um dos seus conhecidos, o tipógrafo Celestino Iglesias, perde a visão num acidente (que é ambiguamente contado de forma que o leitor tem a impressão de que foi causado pelo narrador), e Fernando se dedica a vigiá-lo, para assistir à sua “transformação” e poder acompanhar sua cooptação pela Seita, o que levará o pai de Alejandra aos “subterrâneos” de Buenos Aires em páginas excepcionais.

Como se vê, há muitas veredas a seguir em Sobre heróis e tumbas e a obra-prima de Ernesto Sábato não dispensa, apesar de sua densidade psicológica e filosófica, os recursos de suspense, mistério e até melodrama, que reatam a ligação da alta literatura com o folhetim, mas que cabem perfeitamente num romance que explora a fundo o território da dualidade:

“E Martín, que se sentia só, interrogava-se a respeito de tudo: da vida e da morte, do amor e do absoluto, de seu país, do destino do homem em geral. Mas nenhuma reflexão era pura, pois se fazia inevitavelmente a partir das palavras e recordações de Alejandra, em torno de seus olhos cinza-esverdeados, no fundo de sua expressão raivosa e contraditória. E, de repente,  ela parecia ser a Pátria. Tudo se misturava em sua mente angustiada e como que nauseada, e tudo rodava vertiginosamente em torno da figura de Alejandra, até que ele pensou em Perón e Rosas, pois aquela moça, súmula contraditória e viva da história argentina, parecia sintetizar tudo o que nela havia de caótico e divergente, de demoníaco e dilacerado, de ambíguo e opaco…”

Deixe um comentário »

Nenhum comentário ainda.

RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: